O que temos visto e aprendido durante vários anos de experiência junto à administração privada e pública é que sem Planejamento não existe o Norte e ai, ficamos sempre a deriva e o defeito mais comum encontrado no administrador é a teimosia, fora a competência.

Por onde andamos, podemos perceber em tudo, que as pessoas têm ojeriza a planejamento formal, essa indisciplina os leva ao fracasso.

Muitos de vcs estarão dizendo que fazem Planejamento, mas esquecem que só isso não basta, temos que monitora-lo e temos que criar indicadores, se não sabe o que é isso, faça urgente um curso no SEBRAE/MG.

Um fator nocivo que ataca o administrador público é a política partidária, pois quando vencedores de algum pleito eles se comprometem até o pescoço e aquele discurso que vai colocar pessoas capacitadas nos cargos vai por água abaixo, a pressão é muito forte e ele até que por dentro, possa querer o contrário, mas tem que ceder, vocês não viram o julgamento do Mensalão.

O corporativismo também é fundamental nesse momento, pois quem faz parte terá a sua parte do bolo. Para os amigos tudo para os inimigos nada.

Dentre os inúmeros vieses de nossa sociedade o que me chama mais a atenção é o relativo ao conceito de inversão de valores eles esquecem até da ética.

Quem deu um exemplo quase que perfeito e tenho certeza de foi o único a fazê-lo foi o então Governador de Minas Aécio Neves, que pela sua juventude e por estarem cercados por senhoras cabeças mineiras, conseguiu montar uma equipe de trabalho de alta qualidade e o resultado está estampado em todas as manchetes e estatísticas do país.  Pessoas competentes e ilustres. Parabéns! Mostrou inteligência e força. Sei que é difícil, mas temos que mudar, não dá mais para esperar, vimos todos os anos de eleição promessas e mais promessas, sobre as mesmas coisas e não conseguem fazer nada.

Em um de meus artigos denominado o Poder da Caneta, fica enfatizado o raciocínio.

Na realidade existem inúmeros equívocos quanto à questão de ética, os resultados da eleição mostram o desejo do povo e aqueles que perderam os seus mandatos, teoricamente, foram reprovados pelo povo.

Porém, vimos em administração pública os mesmos galgarem cargos altos no executivo, com salários talvez idênticos aos que perderam. Acho uma incoerência, existem tantos profissionais que tem os requisitos para exercerem os cargos e eles entregam a essas pessoas. Os resultados virão, podemos esperar, só não pode é reclamar da sorte.

Se fizerem o Planejamento da Administração definindo critérios e qualidades, para o exercício do cargo, conseguiram atingir o seu intento. Falta profissional, como dizem algumas empresas brasileiras no mercado e ai abrem suas vagas às pessoas do exterior, que o executivo o faça também, temos é que solucionar o problema.

Temos que ter a percepção de que  a pessoa que vai exercer é contra partidariamente ou não, se é profissional. Se for profissional, não se preocupe, pois o grande erro do setor público é as constantes mudanças de técnicos no setor, provocando altos custos de reposição, que nem sempre compensa.

Vocês já ouviram falar do ditado que o santo de casa não faz milagre, isso é uma corriqueira verdade.

Quando vamos contratar um cantor ou um conjunto para o nosso baile, tem que ser de fora. Quando vamos fazer um serviço especial tem que ser de fora, mesmo tendo em sua cidade. Quando vamos realizar um evento com um palestrante, vamos trazer de fora. Acho que por isso, que o então naquela época Governador de Minas Sr. Itamar Franco taxou as mercadorias na questão do ICMS, incentivando os empresários a comprarem de Minas, como foi criticado, até hoje.

Quando exerci cargo de 3º escalão em Minas, participei de inúmeros projetos de desenvolvimento. Coordenador das Feiras de Minas, Estatuto das Micro e Pequenas Empresas, Projeto do Aeroporto de Goianá e Rio Novo, Projeto da Mercedes Bens, Peugeot; Exerci o cargo de Presidente do PRODER, programa de desenvolvimento do Vale do Rio Doce; Seminário na Alemanha; Missão Empresarial no Chile; Missão Empresarial na Ásia; Itália; Desenvolvimento de Projetos de 2,5milhões de Empregos no Brasil; Coordenador do Projeto de Desenvolvimento da Região da Zona da Mata Mineira e outros.  Exerci a Superintendência de Comercio Exterior e Comércio Interno de Minas Gerais e Superintendência de planejamento e Controle da SEIC.

Em todas as regiões por qual passei fui ovacionado e considerado padrinho da cidade, o que me deixava bastante orgulhoso, mas o que me entristece é que a cidade onde vivo, apesar de me conceder o titulo de Cidadão Honorário a pedido de meu amigo Vereador Júlio Gasparete, o qual agradeço a deferência, a cidade sempre me tratou como um mero desconhecido, mais um na multidão.

É um choro? Talvez! Mas o que enfatizo é que pessoas capacitadas, poderiam estar contribuindo para um ambiente negocial melhor e isso não acontece, queria ser útil como vários outros profissionais do meu ramo que foram e serão sempre esquecidos, pois não fazem parte da panela. Tenho o dito.

.