Vocês conhecem a fábula do Sapo no Buraco?  Existe um sapo que vive em um buraco no interior do País, tem o seu mundinho só para ele e não é que um dia, por descuido outro sapo caiu nesse buraco. O que residia se assustou, pois nunca tinha visto outro sapo, ficou com os olhos arregalados. Disse então, para o estranho visitante: Uai, você também é um sapo! O visitante, também se assustou, pois nunca tinha visto tamanha ignorância. Lógico, que eu sou um sapo. Você vive aqui há muito tempo? O residente respondeu: sim, há vários anos. O visitante argüiu: Você nunca tentou sair, pular para fora, conhecer as maravilhas da natureza, a água, as estrelas, gente, etc. O residente, curioso então, respondeu: Não. Estou bem aqui. Mas algo me interessou, existe tudo isso que você me relatou. O visitante respondeu: Sim. Convidou o sapo a pular e viver a vida, conhecer tudo que existe no mundo e de um salto pulou e ficou esperando o residente e ele não veio.

Isso é o nosso atual retrato, só desenvolvemos projetos de uma perna só, de uma visão só e ficamos esperando os resultados. Vimos recentemente o problema de nosso país no processo de comercialização de nossos produtos no comércio internacional, não estamos sendo sábios nos processos de comercialização.

Outro caso interessante é o caso dos médicos no país, muito semelhante ao caso de nosso crescimento econômico. Para crescermos economicamente em torno de 8% a 12 % do PIB devíamos ter feito investimentos nas linhas de transmissão e construção de hidroelétricas, mas não fizemos , corremos o risco de constantes apagões caso crescêssemos nos patamares relatados.

A questão dos médicos é bem semelhante, pois nas cidades pólos o investimento em estrutura e infra estrutura na cadeia hospitalar é zero e equipamentos e acessórios é um zero a esquerda, como podemos apoiar uma política de se trazer médicos estrangeiros , se o problemas crucial não é a mão de obra. Para raciocínio na questão industrial, vimos que hoje trabalhamos desenvolvendo cadeias produtivas de setores e não o setor em si. Temos o insumo, o processo de transformação e a comercialização, esse é o ciclo.

Pode ser até que existam médicos que não queiram ir para o interior por causas diversas, mas imaginem se nas cidades pólos não existe nada, o que acontece nas cidades do interior. Um verdadeiro Sapo no Buraco falta visão holística. Até nas análises financeiras contábeis, os analistas não se prendem somente em números de índices, existem outros fatores para dizer se a empresa vai bem ou mal. Temos que aprender a utilizar modelos sistêmicos de administração, ou modelos de excelência de gestão.

A questão da aposentadoria também é nevrálgica, senão vejamos: você já tomou conhecimento dos valores de aposentadoria dos funcionários públicos, municipais, estaduais e federais, é uma ofensa ao cidadão brasileiro. Enquanto um funcionário privado trabalha anos com afinco, sofrendo todas as injustiças possíveis, bem como, os reveses da economia e vais se aposentar com um revolver no peito, que é o Fator Previdenciário, obedecendo critérios absurdos, o funcionário publico aposenta com o seu salário atual , mais regalias. Compare através de pesquisas e você vai cair de costa. A inversão de valores no país é uma bandeira forte, interesses sobrepõem direitos dos cidadãos.

Vi no noticiário de hoje que os preços de alguns produtos hortifrutigranjeiros tiveram quedas significantes em seus preços e o repórter entrevistando um economista perguntava o porquê? Ele respondeu que a causa era a Lei da Oferta e da Procura, pois estamos vivendo um período em que os cidadãos da classe C já tinham gastos seus recursos, encontravam-se endividados, visto pela alta inadimplência, o que provocava um recuo na demanda de produtos. Resposta correta.  Mas para inseri-lo no conceito do Sapo do Buraco, temos que raciocinar da seguinte maneira: Injeção enorme de recursos na economia via Bolsa Família e aumentos salariais, provocando uma corrida para compras via impulso. Redução de IPI em produtos de linha branca. Pessoas sem nenhum conhecimento de administração financeira entrando no mercado, o resultado só poderia ser esse.

Quando for fazer um projeto, devemos analisar estrategicamente todos os ângulos, uma ação pode provocar outras ações indesejáveis. È como tomar remédios sem receita médica, pode levar a morte.

Afinal, tudo é feito a toque de caixa, somos o maior país em apagar incêndios do mundo e devemos aproveitar essa não qualidade para disputarmos a próxima olimpíada.

Para finalizarmos, vamos falar um pouco de nossa cidade. Juiz de Fora somente vai se desenvolver e eu não disse crescer, se mostrarmos a nossa cara, como dizia o poeta Cazuza e as pessoas somente irão vir até nós, se obedecermos as palavras de outro poeta Tim Maia na sua música: Me de motivos. Temos que levar a todos os cantos o que oferecemos e o que temos de variáveis atrativas para investimentos. Não podemos ficar como o sapo, sempre no buraco. Tem gente que acredita que Deus vai vir a Juiz de Fora para transformá-la em uma grande metrópole, esqueceram de avisar que somente nós podemos transformar os nossos ambientes, afinal é a nossa casa.